Todo o dia é o dia de começar, continuar, recomeçar e se dar uma nova chance. Estar na presença de Deus é tudo na vida de uma pessoa e ler a sua Palavra Sagrada pode fazer a diferença entre vencer e perder. Faça a sua escolha e seja um VENCEDOR EM CRISTO JESUS. LEIA A BÍBLIA A PARTIR DE AGORA!

sábado, 23 de agosto de 2014

Leitura Bíblica 234º dia



Jó 4

1         ENTÃO respondeu Elifaz o temanita, e disse:

2         Se intentarmos falar-te, enfadar-te-ás? Mas quem poderia conter as palavras?

3         Eis que ensinaste a muitos, e tens fortalecido as mãos fracas.

4         As tuas palavras firmaram os que tropeçavam e os joelhos desfalecentes tens fortalecido.

5         Mas agora, que se trata de ti, te enfadas; e tocando-te a ti, te perturbas.

6         Porventura não é o teu temor de Deus a tua confiança, e a tua esperança a integridade dos teus caminhos?

7         Lembra-te agora qual é o inocente que jamais pereceu? E onde foram os sinceros destruídos?

8         Segundo eu tenho visto, os que lavram iniqüidade, e semeiam mal, segam o mesmo.

9         Com o hálito de Deus perecem; e com o sopro da sua ira se consomem.

10       O rugido do leão, e a voz do leão feroz, e os dentes dos leõezinhos se quebram.

11       Perece o leão velho, porque não tem presa; e os filhos da leoa andam dispersos.

12       Uma coisa me foi trazida em segredo; e os meus ouvidos perceberam um sussurro dela.

13       Entre pensamentos vindos de visões da noite, quando cai sobre os homens o sono profundo,

14       Sobrevieram-me o espanto e o tremor, e todos os meus ossos estremeceram.

15       Então um espírito passou por diante de mim; fez-me arrepiar os cabelos da minha carne.

16       Parou ele, porém não conheci a sua feição; um vulto estava diante dos meus olhos; houve silêncio, e ouvi uma voz que dizia:

17       Seria porventura o homem mais justo do que Deus? Seria porventura o homem mais puro do que o seu Criador?

18       Eis que ele não confia nos seus servos e aos seus anjos atribui loucura;

19       Quanto menos àqueles que habitam em casas de lodo, cujo fundamento está no pó, e são esmagados como a traça!

20       Desde a manhã até à tarde são despedaçados; e eternamente perecem sem que disso se faça caso.

21       Porventura não passa com eles a sua excelência? Morrem, mas sem sabedoria.

Jó 5

1         CHAMA agora; há alguém que te responda? E para qual dos santos te virarás?

2         Porque a ira destrói o louco; e o zelo mata o tolo.

3         Bem vi eu o louco lançar raízes; porém logo amaldiçoei a sua habitação.

4         Seus filhos estão longe da salvação; e são despedaçados às portas, e não há quem os livre.

5         A sua messe, o faminto a devora, e até dentre os espinhos a tira; e o salteador traga a sua fazenda.

6         Porque do pó não procede a aflição, nem da terra brota o trabalho.

7         Mas o homem nasce para a tribulação, como as faíscas se levantam para voar.

8         Porém eu buscaria a Deus; e a ele entregaria a minha causa.

9         Ele faz coisas grandes e inescrutáveis, e maravilhas sem número.

10       Ele dá a chuva sobre a terra, e envia águas sobre os campos.

11       Para pôr aos abatidos num lugar alto; e para que os enlutados se exaltem na salvação.

12       Ele aniquila as imaginações dos astutos, para que as suas mãos não possam levar coisa alguma a efeito.

13       Ele apanha os sábios na sua própria astúcia; e o conselho dos perversos se precipita.

14       Eles de dia encontram as trevas; e ao meio dia andam às apalpadelas como de noite.

15       Porém ao necessitado livra da espada, e da boca deles, e da mão do forte.

16       Assim há esperança para o pobre; e a iniqüidade tapa a sua boca.

17       Eis que bem-aventurado é o homem a quem Deus repreende; não desprezes, pois, a correção do Todo-Poderoso.

18       Porque ele faz a chaga, e ele mesmo a liga; ele fere, e as suas mãos curam.

19       Em seis angústias te livrará; e na sétima o mal não te tocará.

20       Na fome te livrará da morte; e na guerra, da violência da espada.

21       Do açoite da língua estarás encoberto; e não temerás a assolação, quando vier.

22       Da assolação e da fome te rirás, e os animais da terra não temerás.

23       Porque até com as pedras do campo terás o teu acordo, e as feras do campo serão pacíficas contigo.

24       E saberás que a tua tenda está em paz; e visitarás a tua habitação, e não pecarás.

25       Também saberás que se multiplicará a tua descendência e a tua posteridade como a erva da terra,

26       Na velhice irás à sepultura, como se recolhe o feixe de trigo a seu tempo.

27       Eis que isto já o havemos inquirido, e assim é; ouve-o, e medita nisso para teu bem.

Jó 6

1         ENTÃO Jó respondeu, dizendo:

2         Oh! se a minha mágoa retamente se pesasse, e a minha miséria juntamente se pusesse numa balança!

3         Porque, na verdade, mais pesada seria, do que a areia dos mares; por isso é que as minhas palavras têm sido engolidas.

4         Porque as flechas do Todo Poderoso estão em mim, cujo ardente veneno suga o meu espírito; os terrores de Deus se armam contra mim.

5         Porventura zurrará o jumento montês junto à relva? Ou mugirá o boi junto ao seu pasto?

6         Ou comer-se-á sem sal o que é insípido? Ou haverá gosto na clara do ovo?

7         A minha alma recusa tocá-las, pois são para mim como comida repugnante.

8         Quem dera que se cumprisse o meu desejo, e que Deus me desse o que espero!

9         E que Deus quisesse quebrantar-me, e soltasse a sua mão, e me acabasse!

10       Isto ainda seria a minha consolação, e me refrigeraria no meu tormento, não me poupando ele; porque não ocultei as palavras do Santo.

11       Qual é a minha força, para que eu espere? Ou qual é o meu fim, para que tenha ainda paciência?

12       É porventura a minha força a força da pedra? Ou é de cobre a minha carne?

13       Está em mim a minha ajuda? Ou desamparou-me a verdadeira sabedoria?

14       Ao que está aflito devia o amigo mostrar compaixão, ainda ao que deixasse o temor do Todo-Poderoso.

15       Meus irmãos aleivosamente me trataram, como um ribeiro, como a torrente dos ribeiros que passam,

16       Que estão encobertos com a geada, e neles se esconde a neve,

17       No tempo em que se derretem com o calor, se desfazem, e em se aquentando, desaparecem do seu lugar.

18       Desviam-se as veredas dos seus caminhos; sobem ao vácuo, e perecem.

19       Os caminhantes de Tema os vêem; os passageiros de Sabá esperam por eles.

20       Ficam envergonhados, por terem confiado e, chegando ali, se confundem.

21       Agora sois semelhantes a eles; vistes o terror, e temestes.

22       Acaso disse eu: Dai-me ou oferecei-me presentes de vossos bens?

23       Ou livrai-me das mãos do opressor? Ou redimi-me das mãos dos tiranos?

24       Ensinai-me, e eu me calarei; e fazei-me entender em que errei.

25       Oh! quão fortes são as palavras da boa razão! Mas que é o que censura a vossa argüição?

26       Porventura buscareis palavras para me repreenderdes, visto que as razões do desesperado são como vento?

27       Mas antes lançais sortes sobre o órfão; e cavais uma cova para o amigo.

28       Agora, pois, se sois servidos, olhai para mim; e vede se minto em vossa presença.

29       Voltai, pois, não haja iniqüidade; tornai-vos, digo, que ainda a minha justiça aparecerá nisso.

30       Há porventura iniqüidade na minha língua? Ou não poderia o meu paladar distinguir coisas iníquas?

Jó 7

1         PORVENTURA não tem o homem guerra sobre a terra? E não são os seus dias como os dias do jornaleiro?

2         Como o servo que suspira pela sombra, e como o jornaleiro que espera pela sua paga,

3         Assim me deram por herança meses de vaidade; e noites de trabalho me prepararam.

4         Deitando-me a dormir, então digo: Quando me levantarei? Mas comprida é a noite, e farto-me de me revolver na cama até à alva.

5         A minha carne se tem vestido de vermes e de torrões de pó; a minha pele está gretada, e se fez abominável.

6         Os meus dias são mais velozes do que a lançadeira do tecelão, e acabam-se, sem esperança.

7         Lembra-te de que a minha vida é como o vento; os meus olhos não tornarão a ver o bem.

8         Os olhos dos que agora me vêem não me verão mais; os teus olhos estarão sobre mim, porém não serei mais.

9         Assim como a nuvem se desfaz e passa, assim aquele que desce à sepultura nunca tornará a subir.

10       Nunca mais tornará à sua casa, nem o seu lugar jamais o conhecerá.

11       Por isso não reprimirei a minha boca; falarei na angústia do meu espírito; queixar-me-ei na amargura da minha alma.

12       Sou eu porventura o mar, ou a baleia, para que me ponhas uma guarda?

13       Dizendo eu: Consolar-me-á a minha cama; meu leito aliviará a minha ânsia;

14       Então me espantas com sonhos, e com visões me assombras;

15       Assim a minha alma escolheria antes a estrangulação; e antes a morte do que a vida.

16       A minha vida abomino, pois não viveria para sempre; retira-te de mim; pois vaidade são os meus dias.

17       Que é o homem, para que tanto o engrandeças, e ponhas nele o teu coração,

18       E cada manhã o visites, e cada momento o proves?

19       Até quando não apartarás de mim, nem me largarás, até que engula a minha saliva?

20       Se pequei, que te farei, ó Guarda dos homens? Por que fizeste de mim um alvo para ti, para que a mim mesmo me seja pesado?

21       E por que não perdoas a minha transgressão, e não tiras a minha iniqüidade? Porque agora me deitarei no pó, e de madrugada me buscarás, e não existirei mais.

1 Coríntios 14.18-40

18       Dou graças ao meu Deus, porque falo mais línguas do que vós todos.

19       Todavia eu antes quero falar na igreja cinco palavras na minha própria inteligência, para que possa também instruir os outros, do que dez mil palavras em língua desconhecida.

20       Irmãos, não sejais meninos no entendimento, mas sede meninos na malícia, e adultos no entendimento.

21       Está escrito na lei: Por gente de outras línguas, e por outros lábios, falarei a este povo; e ainda assim me não ouvirão, diz o Senhor.

22       De sorte que as línguas são um sinal, não para os fiéis, mas para os infiéis; e a profecia não é sinal para os infiéis, mas para os fiéis.

23       Se, pois, toda a igreja se congregar num lugar, e todos falarem em línguas, e entrarem indoutos ou infiéis, não dirão porventura que estais loucos?

24       Mas, se todos profetizarem, e algum indouto ou infiel entrar, de todos é convencido, de todos é julgado.

25       Portanto, os segredos do seu coração ficarão manifestos, e assim, lançando-se sobre o seu rosto, adorará a Deus, publicando que Deus está verdadeiramente entre vós.

26       Que fareis pois, irmãos? Quando vos ajuntais, cada um de vós tem salmo, tem doutrina, tem revelação, tem língua, tem interpretação. Faça-se tudo para edificação.

27       E, se alguém falar em língua desconhecida, faça-se isso por dois, ou quando muito três, e por sua vez, e haja intérprete.

28       Mas, se não houver intérprete, esteja calado na igreja, e fale consigo mesmo, e com Deus.

29       E falem dois ou três profetas, e os outros julguem.

30       Mas, se a outro, que estiver assentado, for revelada alguma coisa, cale-se o primeiro.

31       Porque todos podereis profetizar, uns depois dos outros; para que todos aprendam, e todos sejam consolados.

32       E os espíritos dos profetas estão sujeitos aos profetas.

33       Porque Deus não é Deus de confusão, senão de paz, como em todas as igrejas dos santos.

34       As vossas mulheres estejam caladas nas igrejas; porque não lhes é permitido falar; mas estejam sujeitas, como também ordena a lei.

35       E, se querem aprender alguma coisa, interroguem em casa a seus próprios maridos; porque é vergonhoso que as mulheres falem na igreja.

36       Porventura saiu dentre vós a palavra de Deus? Ou veio ela somente para vós?

37       Se alguém cuida ser profeta, ou espiritual, reconheça que as coisas que vos escrevo são mandamentos do Senhor.

38       Mas, se alguém ignora isto, que ignore.

39       Portanto, irmãos, procurai, com zelo, profetizar, e não proibais falar línguas.

40       Mas faça-se tudo decentemente e com ordem.

Salmos 37.30-40

30       A boca do justo fala a sabedoria; a sua língua fala do juízo.

31       A lei do seu Deus está em seu coração; os seus passos não resvalarão.

32       O ímpio espreita ao justo, e procura matá-lo.

33       O Senhor não o deixará em suas mãos, nem o condenará quando for julgado.

34       Espera no Senhor, e guarda o seu caminho, e te exaltará para herdares a terra; tu o verás quando os ímpios forem desarraigados.

35       Vi o ímpio com grande poder espalhar-se como a árvore verde na terra natal.

36       Mas passou e já não aparece; procurei-o, mas não se pôde encontrar.

37       Nota o homem sincero, e considera o reto, porque o fim desse homem é a paz.

38       Quanto aos transgressores, serão à uma destruídos, e as relíquias dos ímpios serão destruídas.

39       Mas a salvação dos justos vem do Senhor; ele é a sua fortaleza no tempo da angústia.

40       E o Senhor os ajudará e os livrará; ele os livrará dos ímpios e os salvará, porquanto confiam nele.

Provérbios 21.27

27       O sacrifício dos ímpios já é abominação; quanto mais oferecendo-o com má intenção!


Nenhum comentário:

Postar um comentário