Todo o dia é o dia de começar, continuar, recomeçar e se dar uma nova chance. Estar na presença de Deus é tudo na vida de uma pessoa e ler a sua Palavra Sagrada pode fazer a diferença entre vencer e perder. Faça a sua escolha e seja um VENCEDOR EM CRISTO JESUS. LEIA A BÍBLIA A PARTIR DE AGORA!

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Leitura Bíblica 250º dia



Cantares 5 

1         JÁ entrei no meu jardim, minha irmã, minha esposa; colhi a minha mirra com a minha especiaria, comi o meu favo com o meu mel, bebi o meu vinho com o meu leite; comei, amigos, bebei abundantemente, ó amados.

2         Eu dormia, mas o meu coração velava; e eis a voz do meu amado que está batendo: abre-me, minha irmã, meu amor, pomba minha, imaculada minha, porque a minha cabeça está cheia de orvalho, os meus cabelos das gotas da noite.

3         Já despi a minha roupa;

4         O meu amado pôs a sua mão pela fresta da porta,

5         Eu me levantei para abrir ao meu amado,

6         Eu abri ao meu amado, mas já o meu amado tinha se retirado, e tinha ido; a minha alma desfaleceu quando ele falou; busquei-o e não o achei, chamei-o e não me respondeu.

7         Acharam-me os guardas que rondavam pela cidade;

8         Conjuro-vos, ó filhas de Jerusalém, que, se achardes o meu amado,

9         Que é o teu amado mais do que outro amado,ó tu, a mais formosa entre as mulheres?Que é o teu amado mais do que outro amado,que tanto nos conjuras?

10       O meu amado é branco e rosado; ele é o primeiro entre dez mil.

11       A sua cabeça é como o ouro mais apurado, os seus cabelos são crespos, pretos como o corvo.

12       Os seus olhos são como os das pombas junto às correntes das águas,lavados em leite,postos em engaste.

13       As suas faces são como um canteiro de bálsamo, como flores perfumadas; os seus lábios são como lírios gotejando mirra com doce aroma.

14       As suas mãos são como anéis de ouro engastados de berilo; o seu ventre como alvo marfim, coberto de safiras.

15       As suas pernas como colunas de mármore colocadas sobre bases de ouro puro;o seu aspecto como o Líbano, excelente como os cedros.

16       A sua boca é muitíssimo suave, sim, ele é totalmente desejável. Tal é o meu amado, e tal o meu amigo, ó filhas de jerusalém.

Cantares 6   


1         PARA onde foi o teu amado, ó mais formosa entre as mulheres? Para onde se retirou o teu amado, para que o busquemos contigo?

2         O meu amado desceu ao seu jardim, aos canteiros de bálsamo, para apascentar nos jardins e para colher os lírios.

3         Eu sou do meu amado, e o meu amado é meu; ele apascenta entre os lírios.

4         Formosa és, meu amor, como Tirza,aprazível como Jerusalém,terrível como um exército com bandeiras.

5         Desvia de mim os teus olhos, porque eles me dominam. O teu cabelo é como o rebanho das cabras que aparecem em Gileade.

6         Os teus dentes são como o rebanho de ovelhas que sobem do lavadouro, e das quais todas produzem gêmeos, e não há estéril entre elas.

7         Como um pedaço de romã,

8         Sessenta são as rainhas, e oitenta as concubinas, e as virgens sem número.

9         Porém uma é a minha pomba, a minha imaculada, a única de sua mãe, e a mais querida daquela que a deu à luz;

10       Quem é esta que aparece como a alva do dia, formosa como a lua, brilhante como o sol, terrível como um exército com bandeiras?

11       Desci ao jardim das nogueiras, para ver os frutos do vale, a ver se floresciam as vides e brotavam as romãzeiras.

12       Antes de eu o sentir, me pôs a minha alma nos carros do meu nobre povo.

13       Volta, volta, ó Sulamita, volta, volta, para que nós te vejamos.

Por que olhas para a Sulamita como para as fileiras de dois exércitos?

Cantares 7

1         QUÃO formosos são os teus pés nos sapatos, ó filha do príncipe! Os contornos de tuas coxas são como jóias, trabalhadas por mãos de artista.

2         O teu umbigo como uma taça redonda, a que não falta bebida; o teu ventre como montão de trigo, cercado de lírios.

3         Os teus dois seios como dois filhos gêmeos de gazela.

4         O teu pescoço como a torre de marfim; os teus olhos como as piscinas de Hesbom, junto à porta de Bate-Rabim; o teu nariz como torre do Líbano, que olha para Damasco.

5         A tua cabeça sobre ti é como o monte Carmelo, e os cabelos da tua cabeça como a púrpura;

6         Quão formosa, e quão aprazível és, ó amor em delícias!

7         A tua estatura é semelhante à palmeira;

8         Dizia eu: Subirei à palmeira, pegarei em seus ramos; e então os teus seios serão como os cachos na vide, e o cheiro da tua respiração como o das maçãs.

9         E a tua boca como o bom vinho para o meu amado, que se bebe suavemente, e faz com que falem os lábios dos que dormem.

10       Eu sou do meu amado, e ele me tem afeição.

11       Vem, ó amado meu, saiamos ao campo, passemos as noites nas aldeias.

12       Levantemo-nos de manhã para ir às vinhas, vejamos se florescem as vides,

13       As mandrágoras exalam o seu perfume, e às nossas portas há todo o gênero de excelentes frutos, novos e velhos; ó amado meu, eu os guardei para ti.

Cantares 8 

1         AH! quem me dera que foras como meu irmão, que mamou aos seios de minha mãe!Quando te encontrasse lá fora, beijar-te-ia, e não me desprezariam!

2         Levar-te-ia e te introduziria na casa de minha mãe, e tu me ensinarias;

3         A sua mão esquerda esteja debaixo da minha cabeça, e a sua direita me abrace.

4         Conjuro-vos, ó filhas de Jerusalém, que não acordeis nem desperteis o meu amor, até que queira.

5         Quem é esta que sobe do deserto, e vem encostada ao seu amado? Debaixo da macieira te despertei, ali esteve tua mãe com dores; ali esteve com dores aquela que te deu à luz.

6         Põe-me como selo sobre o teu coração, como selo sobre o teu braço, porque o amor é forte como a morte, e duro como a sepultura o ciúme; as suas brasas são brasas de fogo, com veementes labaredas.

7         As muitas águas não podem apagar este amor, nem os rios afogá-lo; ainda que alguém desse todos os bens de sua casa pelo amor, certamente o desprezariam.

8         Temos uma irmã pequena,

9         Se ela for um muro,edificaremos sobre ela um palácio de prata; e, se ela for uma porta, cercá-la-emos com tábuas de cedro.

10       Eu sou um muro, e os meus seios são como as suas torres;

11       Teve Salomão uma vinha em Baal-Hamom; entregou-a a uns guardas;

12       A minha vinha, que me pertence, está diante de mim; as mil peças de prata são para ti, ó Salomão, e duzentas para os que guardam o seu fruto.

13       Ó tu, que habitas nos jardins, os companheiros estão atentos para ouvir a tua voz; faze-me, pois, também ouvi-la.

14       Vem depressa, amado meu, e faze-te semelhante ao gamo ou ao filho dos veados sobre os montes dos aromas.

2 Coríntios 9 

1         QUANTO à administração que se faz a favor dos santos, não necessito escrever-vos;

2         Porque bem sei a prontidão do vosso ânimo, da qual me glorio de vós para com os macedônios; que a Acaia está pronta desde o ano passado; e o vosso zelo tem estimulado muitos.

3         Mas enviei estes irmãos, para que a nossa glória, acerca de vós, não seja vã nesta parte; para que (como já disse) possais estar prontos,

4         A fim de, se acaso os macedônios vierem comigo, e vos acharem desapercebidos, não nos envergonharmos nós (para não dizermos vós) deste firme fundamento de glória.

5         Portanto, tive por coisa necessária exortar estes irmãos, para que primeiro fossem ter convosco, e preparassem de antemão a vossa bênção, já antes anunciada, para que esteja pronta como bênção, e não como avareza.

6         E digo isto: Que o que semeia pouco, pouco também ceifará; e o que semeia em abundância, em abundância ceifará.

7         Cada um contribua segundo propôs no seu coração; não com tristeza, ou por necessidade; porque Deus ama ao que dá com alegria.

8         E Deus é poderoso para fazer abundar em vós toda a graça, a fim de que tendo sempre, em tudo, toda a suficiência, abundeis em toda a boa obra;

9         Conforme está escrito:Espalhou, deu aos pobres;a sua justiça permanece para sempre.

10       Ora, aquele que dá a semente ao que semeia, também vos dê pão para comer, e multiplique a vossa sementeira, e aumente os frutos da vossa justiça;

11       Para que em tudo enriqueçais para toda a beneficência, a qual faz que por nós se dêem graças a Deus.

12       Porque a administração deste serviço, não só supre as necessidades dos santos, mas também é abundante em muitas graças, que se dão a Deus.

13       Visto como, na prova desta administração, glorificam a Deus pela submissão, que confessais quanto ao evangelho de Cristo, e pela liberalidade de vossos dons para com eles, e para com todos;

14       E pela sua oração por vós, tendo de vós saudades, por causa da excelente graça de Deus que em vós há.

15       Graças a Deus, pois, pelo seu dom inefável.

Salmos 51

1         TEM misericórdia de mim, ó Deus, segundo a tua benignidade; apaga as minhas transgressões, segundo a multidão das tuas misericórdias.

2         Lava-me completamente da minha iniqüidade, e purifica-me do meu pecado.

3         Porque eu conheço as minhas transgressões, e o meu pecado está sempre diante de mim.

4         Contra ti, contra ti somente pequei, e fiz o que é mal à tua vista, para que sejas justificado quando falares, e puro quando julgares.

5         Eis que em iniqüidade fui formado, e em pecado me concebeu minha mãe.

6         Eis que amas a verdade no íntimo, e no oculto me fazes conhecer a sabedoria.

7         Purifica-me com hissope, e ficarei puro; lava-me, e ficarei mais branco do que a neve.

8         Faze-me ouvir júbilo e alegria, para que gozem os ossos que tu quebraste.

9         Esconde a tua face dos meus pecados, e apaga todas as minhas iniqüidades.

10       Cria em mim, ó Deus, um coração puro, e renova em mim um espírito reto.

11       Não me lances fora da tua presença, e não retires de mim o teu Espírito Santo.

12       Torna a dar-me a alegria da tua salvação, e sustém-me com um espírito voluntário.

13       Então ensinarei aos transgressores os teus caminhos, e os pecadores a ti se converterão.

14       Livra-me dos crimes de sangue, ó Deus, Deus da minha salvação, e a minha língua louvará altamente a tua justiça.

15       Abre, Senhor, os meus lábios, e a minha boca entoará o teu louvor.

16       Pois não desejas sacrifícios, senão eu os daria; tu não te deleitas em holocaustos.

17       Os sacrifícios para Deus são o espírito quebrantado; a um coração quebrantado e contrito não desprezarás, ó Deus.

18       Faze o bem a Sião, segundo a tua boa vontade; edifica os muros de Jerusalém.

19       Então te agradarás dos sacrifícios de justiça, dos holocaustos e das ofertas queimadas; então se oferecerão novilhos sobre o teu altar.

Provérbios 22.24-25

24       Não sejas companheiro do homem briguento nem andes com o colérico,

25       Para que não aprendas as suas veredas, e tomes um laço para a tua alma.


Nenhum comentário:

Postar um comentário